Abílio repensa acabar com Secretaria da Mulher e Conselho

Abílio repensa acabar com Secretaria da Mulher e Conselho

O candidato à Prefeitura de Cuiabá, Abílio Júnior (Pode), mudou de opinião sobre o fechamento da Secretaria da Mulher e do Conselho Municipal de Cultura após conversas com Gisela Simona (Pros), sua oponente no 1º turno das eleições municipais. O diálogo surgiu em meio às articulações de apoio à sua candidatura no 2º turno, onde concorre contra o atual prefeito Emanuel Pinheiro (MDB).

 

Abílio disse estar esperançoso em receber o apoio de Gisela Simona, mas compreende que a decisão é tomada em conjunto, então segue esperando. “É uma questão de ela conversar com os partidos aliados, existe um projeto político e tudo isso que a gente tá esperando, mas foi muito positiva a conversa”, declara.

 

Diferente do concorrente do 2º turno, Gisela defendeu em seu plano de governo a permanência do funcionamento da Secretaria da Mulher e do Conselho Municipal de Cultura, e durante as conversas sobre o apoio teria mostrado alternativas para o plano de Abílio. “Conversei muito com a Gisela e ela disse que dá pra fazer de outra forma, o Conselho Municipal de Cultura dá pra funcionar de outra forma, a Secretaria da Mulher dá pra funcionar de outra forma”, comentou.

 

Segundo ele, o problema não é a existência dos órgãos, mas sim a maneira como funcionam e as conversas com a candidata foram importantes para repensar o assunto, para ele, Gisela levantou a pauta de maneira inteligente, porém o interesse não é somente dela. “Existe uma rejeição ao jeito que está, mas existe um interesse da sociedade manter”, explica.

 

Além disso, o candidato defendeu que manter uma postura rígida ou ríspida sobre determinados temas pode ser desinteressante para exercer o mandato político e que estaria aberto a ouvir e repensar.

 

Durante a campanha no 1º turno, Abílio chegou a ir até o prédio onde funciona a Secretaria da Mulher e compartilhar o momento com os seguidores das suas redes sociais. Na ocasião, o ex-juiz e candidato pelo PT, Julier Sebastião, entrou com um pedido de cassação do atual vereador. Ao ser questionado sobre a situação, Abílio defendeu que não estaria invadindo o local, mas exercendo o seu papel legislativo.

Autor(a): Izabelle Borges - Especial para o GD

Fonte: Gazeta Digital